Professor sênior do IEA-RP fala sobre o Brasil pré-histórico no USP Talks

O professor sênior do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) Mário de Vivo é um dos convidados da primeira edição de 2018 do USP Talks, no dia 24 de abril. O evento, promovido pela Pró-Reitoria de Pesquisa da USP em parceria com o Estadão, vai explorar o tema "Brasil Pré-histórico".

Imagine se você tivesse uma máquina do tempo e pudesse voltar ao passado. Como era o Brasil 100 milhões de anos atrás, na época dos dinossauros? Ou 100 mil anos atrás, durante a chamada Era do Gelo? Quais eram as paisagens desse Brasil pré-histórico, e que animais fantásticos caminhavam por elas?

Além de Mário de Vivo, o USP Talks terá a participação do professor do Laboratório de Paleontologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFLCRP) da USP Max Langer. 

O evento será realizado no auditório do Museu de Arte de São Paulo (Av. Paulista, 1578), às 18h30. A entrada é gratuita e os ingressos serão distribuídos na bilheteria a partir das 16h30. Haverá transmissão ao vivo pelo Facebook. Mais informações: www.facebook.com/usptalks.

Sobre os palestrantes

Max Langer é um dos maiores especialistas em dinossauros do Brasil, professor associado do Departamento de Biologia da FFLCRP-USP e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Paleontologia (2013-2017).

Mário de Vivo é biólogo, especialista na história evolutiva dos mamíferos na América do Sul. Foi curador de mamíferos (mastozoologia) do Museu de Zoologia da USP até 2017 e hoje é professor sênior do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto da USP.

USP Analisa discute atuação do enfermeiro forense

Ramo das Ciências Forenses voltado não somente à coleta de provas, mas também ao atendimento das vítimas, a Enfermagem Forense tem ganhado espaço no mercado nos últimos anos. A especialidade foi regulamentada em 2017 e espera agora um crescimento no número de profissionais e de cursos de especialização. Para falar sobre a atuação do enfermeiro forense e das perspectivas dessa área, o USP Analisa recebe nesta semana a docente da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP Lucilene Cardoso.


Segundo ela, é fundamental investir no treinamento desse profissional para que, nos casos de crimes, seja possível fazer uma preservação adequada das provas. “Por exemplo, quando o enfermeiro atua atendendo uma vítima de violência sexual, se ele não for devidamente treinado para fazer esse tipo de atendimento, todas as provas daquela violência são destruídas nas primeiras horas após a violência ocorrida. Aí a importância de ter um treinamento, uma especialização devidamente consolidada que possa instrumentalizar os profissionais a prestar o melhor atendimento”, diz.

O programa vai ao ar na Rádio USP Ribeirão Preto nesta sexta (20), a partir das 12h, e na Rádio USP São Paulo na quarta (25), às 21h, e no domingo (28), às 11h30. O USP Analisa é uma produção conjunta da Rádio USP Ribeirão Preto (107,9 MHz) e do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP.

Ribeirão Preto recebe a terceira edição do Pint of Science


Fake news, terceirização, febre amarela, robótica e futebol. Você consegue encontrar um ponto comum entre esses assuntos? Pois saiba que eles serão alguns dos aperitivos que o Pint of Science, um festival internacional de divulgação científica, vai servir nos dias 14, 15 e 16 de maio, das 19h30 às 21h, em quatro bares de Ribeirão Preto.

O evento, que neste ano será realizado em 20 países e mais de 50 cidades brasileiras, propõe aproximar a população da ciência, levando pesquisadores para conversar sobre temas atuais em ambientes descontraídos, como bares e restaurantes. Em Ribeirão Preto, este já é o terceiro ano do festival.

A programação local inclui 12 debates que acontecem simultaneamente em quatro bares: Lund, Invicta, Cervejarium e Bar do Português. A entrada no evento é gratuita, e o público só paga o que consumir nos estabelecimentos durante os bate-papos. A recomendação é que os interessados cheguem com antecedência, já que não serão realizadas inscrições ou reserva de mesas.

A organização local do evento é feita pelo Centro de Terapia Celular da USP, Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto da USP e Centro de Pesquisa em Doenças Inflamatórias da USP. A programação completa e mais informações estão disponíveis no site http://pintofscience.com.br/events/ribeiraopreto.

De onde vem o Pint?

O festival começou em 2012, quando os pesquisadores do Imperial College London Michael Motskin e Praveen Paul organizaram um evento para que pacientes com Alzheimer, Parkinson, doenças neuromusculares e esclerose múltipla pudessem conhecer as pesquisas e os laboratórios em que os dois atuavam.

A ideia deu tão certo que os dois decidiram criar uma forma de tirar os pesquisadores de seus laboratórios e levá-los para conversar com o público. Surgia, assim, em maio de 2013, o Pint of Science.

No Brasil, o festival foi realizado pela primeira vez em 2015, em São Carlos (SP), pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP. A iniciativa caiu no gosto do público e rapidamente se espalhou pelo País, sendo levada a sete cidades em 2016 e 22 em 2017.

USP Analisa discute os 30 anos da Constituição


Em 2018, a Constituição atualmente em vigor no Brasil completa 30 anos. Elaborada em um período de redemocratização do País, ela ficou conhecida como Constituição Cidadã por ter a participação da própria sociedade em seu processo de construção, já que qualquer pessoa podia propor emendas e boa parte delas integram o texto. Para abordar esse tema, o USP Analisa desta semana recebe os professores da Faculdade de Direito de Ribeirão Preto (FDRP) da USP Eliana Franco Neme e Gustavo Assed.

Embora o Brasil já tenha passado por outras seis cartas magnas, a de 1988 trouxe como principal mudança uma maior importância para os direitos sociais, o que se refletiu inclusive na organização do texto. “A topografia do texto é muito esclarecedora nesse sentido. A Constituição trouxe o cidadão como protagonista e os direitos sociais incluídos nessa esfera de dignidade humana estão logo no começo”, explica Eliana.

Segundo Assed, apesar da lei priorizar os direitos sociais, tanto o Estado quanto a própria sociedade ainda desrespeitam a Constituição nesse sentido. “Os direitos sociais são vilipendiados diariamente no Brasil. O direito à saúde, à educação, ao esporte, esses direitos são desrespeitados de maneira contínua não só pelo Estado brasileiro, pela sociedade brasileira, nós temos um número imenso de pessoas excluídas”, diz.

O programa vai ao ar na Rádio USP Ribeirão Preto nesta sexta (13), a partir das 12h, e na Rádio USP São Paulo na quarta (18), às 21h, e no domingo (22), às 11h30. O USP Analisa é uma produção conjunta da Rádio USP Ribeirão Preto (107,9 MHz) e do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP.

Integração da União Europeia é tema do USP Analisa


Criada há 60 anos, a União Europeia ainda encontra inúmeros desafios para se manter unida. Um dos reflexos recentes foi o Brexit, o movimento favorável à saída do Reino Unido do bloco. Para comentar esse tema, o USP Analisa desta semana recebe o professor aposentado da Unesp Juventino de Castro Aguado.

O docente explica que dos 39 blocos existentes atualmente, somente a União Europeia conseguiu, de certa forma, colocar em prática uma proposta de supranacionalidade. “Todos os passos que a União Europeia deu desde o final da Segunda Guerra Mundial foram criando uma estrutura político-jurídica concretizada nos tratados e na busca da implementação dessa proposta, criando um direito comunitário inexistente em qualquer outra proposta de integração”, diz ele.

Porém, o principal ponto de discordância entre os países que compõem o bloco está relacionado ao compartilhamento da soberania. Para Aguado, o fato de nem todos terem aderido ao euro, a moeda comum da União Europeia, é um reflexo disso. “O euro não é visto como um projeto econômico financeiro monetário, mas como um projeto político no sentido de uma integração mais fácil entre os países que formam o bloco.  Alguns recusam o euro porque entendem que a escolha e a emissão da moeda são elementos fortes de autonomia e de soberania do estado”, afirma o docente.

O programa vai ao ar na Rádio USP Ribeirão Preto nesta sexta (6), a partir das 12h, e na Rádio USP São Paulo em dois horários: na quarta (11), a partir das 21h, e no domingo (15), a partir das 11h30. O USP Analisa é uma produção conjunta da Rádio USP Ribeirão Preto (107,9 MHz) e do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP.

Congresso Internacional de Enfermagem Forense

Data: 14 a 16 de Junho
Local: Ribeirão Preto, São Paulo
Inscrições: www.congressoenforense.com.br


Regulamentada no Brasil em 2017, a Enfermagem Forense dá assistência a vítimas de diversos tipos de violência, incluindo a realização de coleta de material para exames tanto nas vítimas quanto nos agressores e o encaminhamento das vítimas a serviços especializados quando necessário. 

Para discutir as pesquisas e práticas mais recentes nessa área, a Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP promove nos dias 14, 15 e 16 de junho o  I Congresso Internacional de Enfermagem Forense (CIEF 2018).

O evento trará cursos e mesas redondas com profissionais e pesquisadores do Brasil, Estados Unidos e Peru com o objetivo de fortalecer a especialidade e divulgar a produção científica e tecnológica já existente nessa área.

As inscrições são abertas a profissionais de saúde, estudantes de graduação e pós-graduação, usuários de serviços de saúde e à população em geral. Os valores e outras informações estão disponíveis no site www.congressoenforense.com.br

O congresso tem o apoio da Sociedade Brasileira de Enfermagem Forense, da Associação Brasileira de Enfermagem - Regional Ribeirão Preto, da SIGMA THETA TAU International - Honor Society of Nursing, da Sociedade Brasileira de Ciências Forenses e da Comissão para Apurar Denúncias de Violência Contra as Mulheres e Gênero (CAV-USP).

Investimentos no mercado esportivo são tema do USP Analisa

Responsável por pelo menos 1,9% do PIB brasileiro em 2016, o mercado esportivo vem crescendo de forma expressiva nos últimos anos no País. Mas será que as empresas estão fazendo as apostas corretas nesse setor? Para falar sobre esse tema, o USP Analisa desta semana traz o professor da Faculdade de Administração, Economia e Contabilidade de Ribeirão Preto da USP Paulo Sérgio Miranda Mendonça e o representante da startup esportiva Vai Dar Jogo, Felipe Lira.

Segundo Mendonça, mesmo com a crise financeira que o Brasil ainda atravessa, vários setores do esporte continuaram recebendo investimentos de empresas, porém é preciso profissionalizar a gestão no esporte para chegar a um patamar melhor. “Há estudos que mostram que nós poderíamos triplicar o investimento no esporte só com a profissionalização da gestão das entidades esportivas, tornando o produto muito mais atraente para as marcas. Hoje, com toda essa situação, as marcas investem milhões no esporte. Imagina se nós tivéssemos governança corporativa muito mais estabelecida?”, questiona ele.

Apesar da crise, a equipe de Felipe decidiu se arriscar no mercado esportivo com a criação da startup Vai Dar Jogo, que organiza campeonatos amadores de futebol, e não se arrepende. “A ideia surgiu do espírito empreendedor dos sócios fundadores, atrelada à paixão pelo futebol. Eles enxergaram um mercado no qual não havia uma oferta e, se havia, ela era muito defasada perto daquilo que a demanda exigia. Hoje a gente atua em Ribeirão Preto, Campinas e Belo Horizonte com mais de 6 mil atletas inscritos e temos previsão para atuar em mais 17 cidades até o final de 2019”, conta.

A entrevista vai ao ar na Rádio USP Ribeirão Preto às sextas-feiras, a partir das 12h, e na Rádio USP São Paulo às quartas-feiras, a partir das 21h. O USP Analisa é uma produção conjunta da USP FM de Ribeirão Preto (107,9 MHz) e do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP.

Por: Thaís Cardoso, do IEARP